Textos

Sim, sou uma bandeira

card_belem_paris

Há quem critique as bandeiras francesas nas redes sociais, dizendo que, então, deveríamos igualmente usar a libanesa, a palestiniana, entre outras. Peço desculpa, mas não.

Importa que, em momentos como este, não cometamos o erro de querer ser mais solidários do que os outros, acabando por não ser nada que valha a pena designar. Acaso não colocariam todos bandeiras portuguesas no perfil se os atentados se dessem em Lisboa? Pessoalmente, Paris é-me mais próxima do que Beirute, e França mais cultural e emocionalmente familiar do que a Palestina. Mais do que isso: depois de Lisboa, Paris é a cidade com mais portugueses no Mundo. Mais do que o Porto, mais do que qualquer outra cidade em Portugal. Todas as vítimas são obviamente a lamentar e a respeitar, mas nos limites das possibilidades individuais, honramos as que mais próximas nos são. Na verdade, elas tornam-se símbolo que todas integra, e não excluem as demais — curiosa inversão: os que propalam as honras totais acabam por ser publicitários da divisão; os que se revelam contra as bandeiras são os que mais ferozmente as tomam pelo seu lado divisor.

Por tudo isto, e se lamento as vítimas dos extremismos em qualquer parte do Mundo, peço desculpa também, mas Paris e a França são para mim, para a minha cultura e para a minha história pessoal, mais do que sou do que Beirute. Pela mesma razão, as famílias enlutadas no Líbano reclamam para si a sua bandeira no Facebook: para elas, mais importantes são os seus filhos mortos do que os que perderam a vida nas ruas da Europa. E isso é apenas natural e compreensível.

Em momentos como este, é preciso ter cuidado e não apontar como hipocrisia a identificação maior que os outros sentem. Afinal, estamos todos a defender o mesmo, em luto pelas mesmas razões, e mais vale fazer um pouco do que acabar a não fazer nada. Cada um fará o seu luto à sua maneira, mas não devemos esquecer o que em jogo está aqui. As vítimas de um dos maiores atentados de que há memória na Europa merecem um pouco mais.

Hugo Picado de Almeida

Anúncios
Standard

Escrever um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s