Textos

Encore

maxresdefault
Ao fim de mais de duas horas de voo, depois de chocalhado por alguma turbulência, o avião tocou o solo, o trem de aterragem chiou para acusar a violenta carícia, os travões abraçaram-se aos pneus e, eventualmente, o aparelho acabou a deslizar amenamente pela pista. Ao longo da cabine, emergiram aplausos. Daí a nada, saía do cockpit o piloto. Dobrava-se em vénias e sorrisos; às palmas foram adicionados cânticos coloridos e ramos de flores ruidosas. Alguns passageiros levantaram-se para acentuar a sua humildade e enaltecer a perícia do comandante. A chefe de cabine tentou alertar para que o sinal de cintos de segurança ainda se encontrava ligado, mas rapidamente foi silenciada por um bouquet de girassóis lançado da quinta fila. O público entusiasmou-se quando o co-piloto começou a distribuir autógrafos, enquanto ao comandante se estendiam bebés que convinha beijar.

Um dos comissários de bordo iniciava já o desembarque quando tudo finalmente descambou. Em uníssono, o público pedia “bis”, e as portas tornaram a ser fechadas, o piloto reentrando no cockpit, pronto para o seu encore. Não ouvi ninguém exclamar «brace, brace», mas prontamente me agarrei às pernas. Os aviões são a única dádiva dos céus, mas ainda assim convém ter alguma calma.

Hugo Picado de Almeida

Anúncios
Standard

Escrever um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s