Sem categoria, Textos

Manchas e sombras

[para o início de um texto]

Tudo começou com uma sombra – afirmação desde já audaciosa e merecedora de atenção, uma vez que, a bem da verdade, nada há que comece pela sombra. De facto, antes dela, há já pelo menos duas coisas: o Sol – ou outra fonte de luz no seu lugar – e o corpo onde ele embate para a provocar. Mas a sombra, já o adivinhamos, nem chega a ser o terceiro elemento, mas somente o quarto, pois ela depende ainda de uma superfície onde se projectar. Uma sombra não é uma mancha, mas pode parecer-se com ela. Se esteticamente ambas podem ser iguais, virtualmente indistinguíveis uma da outra, é na sua substância que diferem: na mancha, o que a causa está no exacto sítio onde ela se manifesta; na sombra não. Na mancha, há coincidência e partilha; na sombra, ausência e distância. Não será de estranhar, por isso, que para as gentes da Rue d’Orchampt tudo tenha parecido começar com uma sombra. Ou uma mancha.

Hugo Picado de Almeida

Anúncios
Standard

Escrever um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s