Textos

Austeridade laminar, consciência liminar

Como afirma o famoso fado, por morrer uma andorinha não acaba a Primavera. Talvez seja verdade, e o vaticínio deixa até subentendido que mais umas poucas de aves poderão também encontrar a morte sem, por isso, ameaçar a estação. A pergunta que importa fazer é óbvia: quantas andorinhas precisam de falecer para que nisso encontremos significado? Qual é o limiar da consciência? Cinco? Cinquenta? Cem? Quantas importam?

O problema do fado, o problema do problema, claro está, é o de se aplicar sobretudo aos Homens. As andorinhas nunca chegaram a estar na equação. Apontamos insultos ao governo, abanamos a cabeça, damos uns berros numa manifestação, mas talvez ainda pensemos habitar a Primavera, pois que nada fizemos para mudar a estação, verdadeiramente. Afinal, de quantos desempregados mais precisamos para nos convencermos de que algo está fundamentalmente mal? Quantos pobres são precisos para que com eles nos importemos? Quantas pessoas têm, enfim, de experimentar a fome para que isso ganhe significado? Quantos emigrantes são emigrantes suficientes para que isso nos preocupe?

Hugo Picado de Almeida

Anúncios
Standard

Escrever um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s