Cultura, Literatura, Música

Os GNR contra o Acordo Ortográfico: desde 1992

Há muito que gosto das músicas dos GNR, da irreverência do Rui Reininho, das letras labirínticas, surrealistas, plenas de intertextualidade. Havia, porém, uma música cuja maioria das palavras eu não conseguia destrinçar, e isso incomodava-me particularmente por ser uma das que me entrava melhor no ouvido.

Resolvi, então, procurar a letra, e depressa percebi sobre o que era, afinal, a música: uma crítica ao Acordo Ortográfico. Se o Acordo está agora em vigor, a decisão da sua criação foi já tomada em 1990 — daí a sua designação por «AO1990» –, e a música pertence a um álbum lançado em Abril de 1992, Rock in Rio Douro.

De facto, a música começa de forma esclarecida: «Ação, ator, ato», e prossegue depois com uma série de palavras ou referências pouco claras, onde vagamente se distinguem palavras que conhecíamos — muito como faz o Acordo — e não se coíbe de usar diversas palavras que o acordo veio transformar e, assim, dificultar o acesso ao sentido da frase, como acontece no verso «Que era súdito direto de fato», onde se deveria lersúbdito directo, de facto.

Mais ou menos a meio do texto, a letra atinge de forma claríssima aquilo que quer dizer, quando se sabe qual o seu significado:

«É um acordo ou é um buraco

Quem o quer, esse muro concreto
É político mas analfabeto

A corda bamba da cultura …»

A música tem ainda tempo para dar voz às incertezas sobre os motivos por detrás do Acordo, suspeitas geralmente unificadas na ideia de que resulta de pressões por parte dos editores brasileiros para dominarem o mercado editorial dos demais países da CPLP, onde havia ainda alguma resistência por parte dos leitores do chamado português europeu. A letra termina assim, tão clara quanto começou:

«O Petróleo não é tudo, Jr.!
Anónima acunpuntura»

Olhando agora para trás, alegra-me maravilhosamente descobrir que a letra dos GNR onde quase nem entendia as palavras era a música em que mais me revia, e especialmente a letra onde se pretende demonstrar que o Acordo rouba sentido à língua, e que este a pode tornar mesmo incompreensível.

 

Hugo Picado de Almeida

Anúncios
Standard

6 thoughts on “Os GNR contra o Acordo Ortográfico: desde 1992

  1. Estou completamente contra este acordo absurdo, nem encontro palavras para tal porcaria designar. Só sei que sou portuguesa e não consigo falar com aquela entoação imposta, muito menos escrever e ler até me faz náuseas! Fora com os corruptos e analfabetos que até nisto pôem o lucro material deles à frente. Abaixo!!!

  2. AAguiar diz:

    «Acorda!

    Acção actor acto
    Ponta-pé traves-tu barato

    Bem-me-quer o Pedralvares cordato
    Que era “súdito” directo de fato

    Óptimo ou caricato
    É um acordo ou é um buraco

    Quem no quer esse muro concreto
    É político mas anal fabeto

    A corda bamba da cultura
    A ponte pênsil no ar
    Acorda muda de figura (…)»

    🙂

Escrever um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s