Pensamentos, Viagens

Escritos de Nova Iorque #3

 O Memorial do 11 de Setembro, em Manhattan, é o sítio mais barulhento de Nova Iorque, e isso espanta tanto quanto o facto de, na cidade, o trânsito fazer muito pouco barulho. A cidade que nunca dorme não é tão barulhenta quanto se possa pensar.

O Memorial do 11 de Setembro é realmente o sítio mais barulhento da cidade, e essa é a melhor homenagem que poderia fazer-se às vítimas. Um memorial silencioso – o mesmo seria dizer, um memorial europeu – no meio de Nova Iorque seria uma ferida aberta; a melhor maneira de sarar a ferida é tornar a sua cicatriz confundível com a própria pele, e é por isso que o World Trade Center manterá o seu nome e recuperará as suas torres. Terá duas a menos, é certo, por respeito às falecidas Torres Gémeas, mas em seu lugar – no mesmo exacto lugar −, surgem agora as duas grandes pools que se, por um lado, mantêm intacto o espaço visual que as célebres torres ocuparam um dia, por outro, mantêm também intacto – se calhar superando-o − o espaço sonoro que elas ocupavam, e dessa formam logram reparar a falta e o orgulho de um país que não pode nem quer parar. É preciso que a economia recupere, e com ela a própria vida, claro.

Na Europa, talvez fosse impossível fazer o que se está a fazer em Manhattan. Não teríamos, provavelmente, cinco novas torres em construção, e dificilmente teríamos uma loja de souvenirs – apesar de toda a decência e respeito que se sente no memorial nova-iorquino.

Hugo Picado de Almeida

Anúncios
Standard

Escrever um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s